Posts Tagged ‘copa 2014’

Poucos profissionais do turismo falam inglês em Natal

março 28, 2011

O Diário de Natal publicou uma reportagem mostrando que poucos profissionais do turismo falam inglês em Natal. Esse fato é percebido por todos que andam pelos restaurantes, hoteis, meios de transporte, etc da cidade, o que o jornal fez foi comprovar a percepção na prática.

Uma repórter do jornal percorreu pontos turísticos da cidade fingindo que falava apenas inglês, e enfrentou dificuldades para obter serviços prosaicos, como tomar um cafezinho, acertar uma corrida de táxi, comprar artesanato, etc (ver relato).

Há alguns anos, Natal teve um repentino crescimento no número de turistas da Escandinávia (Suécia, Finlândia, etc), e os hotéis se viram cheios de estrangeiros falando inglês – e não sendo compreendidos; em anos recentes, o número de turistas caiu tão abruptamente quanto havia crescido (ver reportagens aqui e aqui).

Embora empresários procurem culpar a valorização cambial pela queda, é certo que o despreparo dos profissionais do turismo também teve seu peso; por que um sueco iria a um país onde até pedir um copo d’água é uma dificuldade, se ele pode visitar outras praias igualmente belas no Caribe ou na Ásia, onde a maioria das pessoas preparou-se para falar inglês?

E o problema não é apenas nos serviços privados, como hoteis e restaurantes; muitos turistas reclamam da falta de sinalização nas ruas em inglês (ou mesmo em espanhol), da falta de folhetos em outras línguas (até mesmo o site oficial da Secretaria de Turismo de Natal é escrito apenas em Português), da falta de centros de informação multi-língues.

As autoridades informam sempre que estão tomando as medidas cabíveis, mas pouco se percebe de concreto (algo equivalente, por exemplo, a essa iniciativa dos pequenos hoteis do Rio de Janeiro).

Com a Copa do Mundo se aproximando, Natal deveria se preocupar seriamente com essa questão.

Atualização: achei algumas boas notícias aqui e aqui; vamos torcer para que projetos como esse avancem.

Anúncios

Estádio das Dunas custará mais de R$ 1 bilhão

março 18, 2011

Quando Natal foi escolhida para sediar a Copa, o projeto do Complexo Arena das Dunas estava orçado em R$ 300 milhões, que seriam bancados pela iniciativa privada. Seria criada uma Parceria que reformaria o estádio, reconstruiria o Centro Administrativo do Estado, e ainda haveria recursos para construção de prédios comerciais, hoteis, shoppings, etc.

A realidade saiu bem diferente: o custo total da Arena das Dunas poderá chegar a R$ 1.288.400,00! E isso só para o estádio.

Ou melhor explicando: esse é o montante que o Governo do Estado pagará à construtora OAS, a empresa que ganhou (porque foi a única participante) a licitação para construir o estádio. A OAS gastará R$ 400 milhões na construção, dos quais R$ 300 milhões serão financiados pelo BNDES.

Para ressarcir aqueles R$ 400 milhões à OAS, o Governo fará pagamentos mensais durante vinte anos; nos primeiros 11 anos, serão R$ 9 milhões por mês, que serão reduzidos nos anos seguintes, e que somados chegam à soma de mais de R$ 1 bilhão.

Natal está com o cronograma muito atrasado; em meados do ano passado, surgiram rumores de que a cidade poderia ser excluída da Copa. A primeira licitação realizada foi deserta, ou seja, não atraiu nenhum interessado.

Ao que parece, para não correr o risco de se ver sem nenhum interessado, o Governo fez uma série de concessões à construtora. Até mesmo os Deputados se espantaram com o resultado; a proposta ainda tem que ser aprovada pela Assembléia.

Isso tornaria o estádio de Natal o mais caro da Copa, pois até mesmo o Maracanã teve orçamento menor, de pouco mais de R$ 1 bilhão; e o Maracanã será, após a Copa, uma fonte certa de recursos, ao contrário da Arena das Dunas. E por coincidência, ainda ontem, o Sport Recife anunciou que, de forma mais barata e lucrativa, pretende reformar todo o estádio da Ilha do Retiro.

A Copa pode custar muito caro para o povo do RN.

Copa 2014 em Natal está sob risco

março 16, 2010

É bem sabido que nenhum dos Estados do Brasil está com o cronograma em dia em relação às obras para a Copa de 2014; no início desse mês, o Ministro dos Esportes emitiu um alerta, lembrando que o prazo (já prorrogado) da FIFA para início das obras nos estádios é 3 de maio; à mesma época, nota do jornal Tribuna do Norte dava conta que Natal era uma das sedes (juntamente com o Rio de Janeiro) em que o atraso era maior.

Hoje, o jornal Tribuna do Norte publicou nota preocupante informando que não apenas o edital sairá com atraso, mas que também existem diversas outras pendências que podem comprometer até mesmo a realização da Copa em Natal.

Primeiro, quanto ao atraso: o comitê potiguar da organização da Copa confirmou que o edital sairá apenas em abril; como existem prazos para recebimento de propostas, recursos, etc, isso significa que a empresa vencedora, que estará habilitada para construir o estádio, será conhecida apenas em junho. Ou seja, mesmo que não haja nenhum outro contra-tempo (recursos judiciais, por exemplo) que postergue o processo, ainda assim haverá um atraso de quase dois meses em relação ao prazo estipulado pela FIFA.

Segundo, quanto aos concorrentes: o Governo do RN sempre propalou que diversas empresas estavam interessadas na construção e posterior administração do Complexo das Dunas; agora, o Comitê informa que, dos nove grupos que originalmente se inscreveram para participar do processo, apenas três apresentaram pré-propostas. Essa menor concorrência significa, entre outras coisas, que o preço pedido será maior (ou seja, exigirá maior desembolso do Governo), e que a qualidade técnica será menor.

E esse aumento de custos pode se tornar também um problema sério. Como outras pessoas já o haviam feito, dessa vez é o arquiteto Moacyr Gomes quem critica a viabilidade econômica-financeira do projeto: segundo ele, ao ceder o terreno, o Machadão e o Machadinho, o Estado estaria perdendo, no mínimo, R$ 296 milhões.

Outros problemas: o impacto ambiental das obras (a Semurb, órgão municipal, autorizou as obras, mas não houve consultas nem ao Idema, órgão estadual, nem ao Ibama, órgão federal); o retorno social do projeto (vão de fato ser criados empregos? para quem?); o impacto das eleições (o Governo Estadual conseguirá manter o foco no projeto, ao mesmo tempo que disputa a eleição desse ano?).

Apesar de todos esses enormes contratempos, o Coordenador do Comitê da Copa afirma que “tudo o que nós fechamos com a FIFA e a CBF está sendo cumprido; Natal é sede e vai ter estádio novo sim”.

Mais obstáculos para a Copa 2014 em Natal

setembro 27, 2009

É inegável que existe grande apoio da população e da classe política para que Natal de fato sedie algumas partidas da Copa do Mundo de 2014; entretanto, há uma série de obstáculos que precisam ser removidos para que esse sonho se concretize.

Em outro post, foi mencionado que o Ministério Público apresentou questionamentos jurídicos quando ao projeto da Copa; esses questionamentos derivam da forma como o Governo está buscando parceiros para financiar o projeto, o que por sua vez deriva da conhecida falta de recursos financeiros oficiais para financiar uma obra de tal monta.

Hoje, nova reportagem da Tribuna do Norte levanta questionamentos técnicos em relação ao projeto da Arena das Dunas. O jornal entrevistou um Deputado Estadual com formação em engenharia, que afirma que o projeto até aqui foi feito sem que alguns levantamentos técnicos fossem efetuados; o próprio CREA (Conselho Regional de Engenharia), durante um Fórum de Discussão, teria apresentado algumas dúvidas que não foram respondidas.

Segundo ele, por exemplo, “o que se sabe é que hoje existe apenas uma maquete de computador, mas não se conhece o projeto de arquitetura e quem assinou, o projeto de engenharia civil, estrutural, hidrosanitária e elétrica”.

Não se planejou como será efetuada a remoção dos entulhos do Machadão, após sua planejada demolição (o Rio Grande do Norte é a única sede da Copa que planeja demolir um estádio já existente e construir outro em seu lugar); segundo cálculos, seriam gerados 16 mil metros cúbicos de concreto, o que requereria, em primeiro lugar, uma enorme frota de caminhões para seu transporte e, em segundo lugar, que se encontrasse um local onde se pudesse depositar o material.

Não se pensou na forma como se faria nem o fornecimento de água para o complexo, nem como ela seria posteriormente tratada; todas as hipóteses aventadas (lagoa de captação, emissário marinho, despejo no rio Potengi) têm potenciais impactos ecológicos e por isso exigem prévia análise e aprovação dos órgãos ambientais.

O trânsito é outro problema sério. A área do Machadão e do Centro Administrativo já é, por conta da localização central, uma das regiões com maior problemas de trânsito em Natal. Como a Fifa exige que seja disponibilizado um  número enorme de vagas, torna-se uma incógnita conciliar essas exigências com o já tumultuado quadro da região.

Será necessário muito trabalho para trazer a Copa para Natal.

Copa 2014 em Natal ameaçada

setembro 27, 2009

No início do mês, Natal foi sacudida pela notícia de uma possível ameaça de cancelamento da cidade como sede da Copa do Mundo em 2014; na ocasião, a CBF logo desmentiu o boato e o assunto foi esquecido.

Hoje, contudo, a Tribuna do Norte vem com uma nota bombástica: agora é o Ministério Público Estadual quem pede a suspensão do Projeto da Copa.

Para sediar a Copa, os Governos de Natal e do Estado preveem a construção do Complexo da Arena das Dunas, que abrange, além do complexo esportivo, novos centros administrativos (estadual e municipal), hotéis, um shopping, centro comercial, apartamentos, centro de convenções, teatro, auditório e uma lagoa artificial.

arena-das-dunas-copa-natal-2014

Para dar lugar ao Complexo, teriam que ser demolidos tanto o Estádio Machadão (de propriedade da municipalidade) como o Centro Administrativo do Governo do Estado (que fica nas vizinhanças do estádio); toda a área seria então re-urbanizada, ocupando um espaço de 42 hectares.

Apenas para a construção do estádio, o custo estimado é de R$ 300 milhões; os orçamentos municipal e estadual não comportam esse gasto, e o governo federal está reticente em liberar recursos. Por isso, os Governos acordaram em criar uma Sociedade de Propósito Específico com o propósito de levantar recursos privados que financiassem a construção do complexo.

E aí entra o Ministério Público Estadual. Segundo os promotores que assinaram a ação, falta transparência ao processo.

Segundo a Tribuna: “Os promotores apontam, por exemplo, que não existe autorização legislativa para que o Estado e o Município doem à AGN (Agência de Fomento do Rio Grande do Norte) o bem imóvel, embora já esteja em pleno curso o processo de seleção de parceiro privado da AGN para venda do imóvel público. Além disso, o MPE considera que para a AGN alienar o imóvel, através da integralização do capital de sociedade privada, mediante permuta por ações, é indispensável a realização de licitação, na modalidade concorrência.”

O Ministério Público entende que, como o prazo estipulado pela FIFA para início das obras do estádio é março de 2010, ainda haveria tempo para promover a licitação.

O Secretário de Turismo do Rio Grande do Norte manifestou-se surpreso com a ação, mas não se pronunciou sobre seu mérito.

Resta aguardar a decisão da Justiça.