Hoteis de Natal enfrentam baixa ocupação

dezembro 9, 2011

Notícia da Tribuna do Norte informa que nesse final de 2011 os hoteis de Natal terão o pior reveillon da década.

Pesquisa realizada pela ABIH-RN entre 40 hoteis associados, localizados na Via Costeira, Ponta Negra, Praia do Meio e Pipa, revelou que os hoteleiros esperam para esse ano uma ocupação de aproximadamente 70%, uma queda de 15% em relação aos 85% do ano passado.

Embora pareça um número aceitável, essa cifra é baixa, comparada aos quase 100% de ocupação esperados para outros importantes destinos turísticos, como Rio de Janeiro e Fortaleza.

E quais seriam as causas dessa perda de prestígio de Natal?

Segundo empresários do setor, “a falta de uma campanha agressiva de divulgação do destino é apontada como principal razão da desaceleração . Enquanto  o RN é pouco divulgado, outros estados como Ceará, Pernambuco e até a Paraíba ganham cada vez mais força”,  diz o gerente financeiro do hotel Parque da Costeira, Flávio Alexandre de Pontes e Silva.

Entretanto, os usuários do jornal que postaram seus comentários têm uma visão completamente diferente; a maioria dos comentaristas postou opiniões parecidas com essa:

“Se baixassemos os valores cobrados nas hospedagens, assim como os praticados em passeios turísticos, teríamos com certeza um maior volume de turistas. A rede hoteleira de Natal é caríssima. A cidade é suja, não tem atrações turísticas, os passeios são caros. Se gasta muito menos indo ao exterior do que fazendo turismo no Brasil. O que temos para ver no litoral do RN ? Praias ? (sujas e caras). Ir ao Caribe é muito mais barato (passeios, hotéis e visitas). Quais as atrações noturnas que temos em Natal ? O forró dos turistas ? JESUS !!!!!”

Quem veio a Natal a turismo entre 2005 e 2008, antes da crise financeira global, pôde sentir a diferença nos preços de hoteis, restaurantes e serviços praticados em Natal e outras cidades vizinhas, como Fortaleza, Maceió, João Pessoa (em Recife, os preços são altos, por conta da escassez de hoteis e do aquecimento econômico de Suape).

Qualquer pousada custava R$ 100, mesmo preço de hoteis bem estruturados em Fortaleza; os poucos bons restaurantes em Natal eram e ainda são caros, para o padrão que oferecem; os buggeiros de Natal, além de serem os mais mal educados, são os que cobram mais caro.

Resultado: o turista que vai a Fortaleza ou Maceió encanta-se com a cidade, recomenda para seus amigos, e retorna quando pode; o turista que vinha a Natal sentia-se enganado, descrevia o que sentia para os amigos – que perdiam a vontade de vir à cidade, e não retornou.

Natal está pagando o preço dos erros do passado.

Natal é a capital mais cara do Nordeste

julho 31, 2011

Uma reportagem do jornal norte rio grandense Tribuna do Norte traz uma notícia que pode surpreender a alguns turistas: Natal tem o custo de vida mais alto do Nordeste; o jornal informa que os custos com habitação, alimentação e transportes são mais altos em Natal do que em vizinhos maiores, como Recife, Fortaleza e Salvador.

O jornal fez entrevistas e investigações para descobrir o por quê desses preços mais altos.

No caso da habitação, constatou-se que o aluguel médio de um apartamento à beira-mar de Natal custa em média R$ 1.500,00, enquanto que em Salvador encontra-se local similar por R$ 1.000,00. Segundo os corretores da imobiliária Remax, que tem escritórios por todo o Nordeste, a explicação seria que a oferta de apartamentos em Natal seria bem menor do que nas outras cidades da região.

De fato, é visível que, tanto pelo controle ambiental mais rígido como pelo fato de o crescimento da cidade ter sido mais recente, a oferta de condomínios verticais nas áreas próximas à praia é mais restrita em Natal.

Se por um lado isso justifica o preço mais alto dos aluguéis, deveria também ser motivo para preços mais baixos nas hospedagens, já que Ponta Negra está completamente tomada por imóveis horizontais transformadas em pousadas. Entretanto, há pesquisas de fontes confiáveis que mostram que as diárias dos hoteis em Natal foram as que tiveram o maior aumento recentemente.

Segundo dados do Dieese, a cesta básica em Natal é a mais cara do Nordeste, seguida por Recife e Salvador. Isso significa que os restaurantes tem custos mais altos para preparar seus pratos. Junte-se a isso a relativa escassez de restaurantes na cidade, e fica explicado por que muitos turistas ficam com a sensação de pagarem caro por seus almoços em Natal.

O jornal informa ainda que Natal tem as tarifas de táxi mais caras do Nordeste; com o aumento recentemente autorizado, a bandeirada passou a R$ 4,15, e o quilômetro rodado passou a R$ 2,15  (em horário normal; na bandeira 2, esses valores ficam 40% mais altos).

Isso significa que uma corrida de Ponta Negra a um bairro central como Petrópolis, ou de Ponta Negra à Praia do Meio, poderá custar mais de R$ 30,00. A explicação do Sindicato dos Motoristas é: “Nosso trabalho é diferente; nossa cidade é pequena; nossas corridas são menores; o passageiro passa pouco tempo no nosso carro; nossa frota é de alta de qualidade; nossos motoristas passam por capacitação constante. Tudo isso influencia o preço”.

Quem vem a Natal deve preparar o bolso.

Hospedagem por temporada em Natal

junho 7, 2011

Estive semana passada em Natal, e procurando por acomodação em Ponta Negra deparei-me com o Flat Pousada da Praia.

Embora não fique à beira-mar (veja relação dos hoteis em Ponta Negra à beira-mar), é bem localizado: bem defronte à famosa Feirinha de Ponta Negra, com ônibus para todos os lados, a uma caminhada de distância de shoppings como o Praia Shopping (removi o link, pois o site tem som) e o Vilarte, com acesso a pé até a praia de Ponta Negra (a volta é uma caminhada ladeira acima), vizinho a bons restaurantes como o Farofa d’Agua, o Pinga Fogo, o Camarões e o Only Pizza.

A diária na baixa temporada foi R$ 69 (sem café da manhã), e seria de R$ 59 caso ficássemos quatro ou mais noites; esse preço já é bastante competitivo, dada a localização e as características do flat.

Mas as tarifas são ainda mais vantajosas para quem pagar a taxa de mensalista: o site informa que os preços começam a partir de R$ 600 mais energia, para quem fica por no mínimo três meses na baixa temporada, e o recepcionista informou que, para ficar apenas um mês, o preço fica ao redor de R$ 800 mais energia.

O flat é na verdade apenas um quarto com banheiro, mas mobiliado com cama de casal, geladeira, fogão, pia, uma mesinha de parede e todos os utensílios de cozinha (panelas, talheres, pratos, etc); os hóspedes podem comprar comida em supermercados e prepará-los no próprio apartamento, economizando com refeições em restaurantes.

Para quem precisa de mais espaço, existe outro flat, o Praia Apart Hotel, com dois quartos e todo o mobiliário; os preços são um pouco mais altos, ao redor de R$ 900, mas o espaço é maior. Entretanto, esse hotel fica em uma região mais isolada de Ponta Negra, e os quartos são muito mais empoeirados.

De qualquer forma, fica a informação. Em vários dos hoteis de Natal, uma semana já custa mais do que ficar um mês inteiro nesses flats. Para quem abre mão de um pouco de mordomia para fazer uma grande economia, é uma boa opção.

Natal sediará Campeonato de Basquete Senior

maio 26, 2011

De 24 de junho a 3 de julho de 2011, Natal sediará o Campeonato Mundial de Basquete para Jogadores Seniores.

Oficialmente, o torneio se chama Campeonato Mundial de Maxi Basquetebol.  Maxibasquete é a última categoria do esporte, reunindo jogadoras acima de 30 anos e jogadores acima de 35 anos.

Em nível mundial, a categoria é gerida pela FIMBA (Federação Internacional de Maxi Basquetebol). Um site foi criado em português para informar sobre o evento em Natal.

Os jogos serão realizados em 15 ginásios de Natal (ver locais dos jogos); importante ressaltar que o Machadinho, principal arena da cidade, está prestes a ser demolido para dar lugar ao novo estádio da Copa de 2014, e por isso não sediará jogos.

A organização prevê a participação de 75 países, formando 200 equipes (cada país pode ter mais de uma equipe, de acordo com sexo e faixa etária), 3.000 jogadores, com público estimado de 250.000 pessoas.

Um dos patrocinadores é o Hotel Ocean Palace, onde muitas delegações devem se hospedar – se você quiser tentar reservar um quarto no Ocean, clique aqui. Como os jogos ocorrerão no início do período de férias escolares, é provável que os hoteis lotem rapidamente, por isso é aconselhável fazer uma reserva nos hoteis de Natal com a máxima antecedência possível.

Milhares de fãs de basquete virão aos Jogos. Para esses fãs, rever grandes ídolos do passado é como, para fãs do futebol, rever Maradona, Zico, Rivelino, e outros grandes astros voltando aos campos (ou melhor, às quadras).

A Federação Brasileira de Basquete Master, embora não tenha divulgado nomes, já confirmou que o Brasil contará com, no mínimo, 40 equipes na competição, sendo 26 masculinas e 14 femininas. Várias das grandes potências do basquete mundial confirmaram participação, incluindo Estados Unidos, Rússia, Letônia, República Checa, Itália, Ucrânia, Argentina, entre outras.

Natal luta contra o cartel de postos de gasolina

abril 9, 2011

Eis uma notícia alvissareira: a sociedade de Natal está travando uma civilizada batalha contra o cartel dos postos de gasolina.

O Rio Grande do Norte (mais especificamente a cidade de Mossoró, no oeste do Estado) é o maior produtor de gás e petróleo em terra do Brasil (e graças à refinaria Clara Camarão, o Estado logo será o único a ser autossuficiente em todos os derivados de petróleo).

Apesar disso, os natalenses pagam um dos preços de combustível para automóveis (englobando gasolina, álcool e gás) mais altos do Brasil. Nesse início de abril de 2011, em muitos postos os preços da gasolina foram reajustados para R$ 2,99 o litro; nessa mesma época, na vizinha João Pessoa, os preços giravam ao redor de R$ 2,50; no Recife, o aumento para R$ 2,70 também causava protestos.

Mas não é o preço em si que causa mais revolta entre a população. O maior motivo de indignação é que os preços sobem no mesmo dia, e pelos mesmos valores; de quando em quando, ocorrem promoções, e os preços também baixam no mesmo dia, e nos mesmos valores (até os décimos de centavos).

Os preços são livres, os postos podem vender até por R$ 100 o litro, se encontrarem comprador. Mas combinar preços é crime, tipificado em várias leis como prática de cartel. Caberia ao Ministério Público do Rio Grande do Norte denunciar a prática de crimes, mas aparentemente ele tem outras coisas com que se preocupar.

Cansada de esperar,  a população resolveu reagir. Uma página no twitter, que divulgava preços por toda a cidade, foi o estopim; diversas iniciativas de boicote aos postos de gasolina pipocaram (não abastecer em nenhum posto da BR, ou não abastecer nos postos das principais avenidas – Roberto Freire, Prudente de Morais e Salgado Filho, justamente as mais frequentadas por turistas); hoje, uma iniciativa democrática e efetiva: para boicotar um posto, ativistas abasteceram um valor mínimo e exigiram o teste de qualidade de combustíveis, reduzindo o movimento do posto.

A sociedade de Natal mostra que quando nem o Governo nem as autoridades se movimentam, o povo tem como se manifestar.

Poucos profissionais do turismo falam inglês em Natal

março 28, 2011

O Diário de Natal publicou uma reportagem mostrando que poucos profissionais do turismo falam inglês em Natal. Esse fato é percebido por todos que andam pelos restaurantes, hoteis, meios de transporte, etc da cidade, o que o jornal fez foi comprovar a percepção na prática.

Uma repórter do jornal percorreu pontos turísticos da cidade fingindo que falava apenas inglês, e enfrentou dificuldades para obter serviços prosaicos, como tomar um cafezinho, acertar uma corrida de táxi, comprar artesanato, etc (ver relato).

Há alguns anos, Natal teve um repentino crescimento no número de turistas da Escandinávia (Suécia, Finlândia, etc), e os hotéis se viram cheios de estrangeiros falando inglês – e não sendo compreendidos; em anos recentes, o número de turistas caiu tão abruptamente quanto havia crescido (ver reportagens aqui e aqui).

Embora empresários procurem culpar a valorização cambial pela queda, é certo que o despreparo dos profissionais do turismo também teve seu peso; por que um sueco iria a um país onde até pedir um copo d’água é uma dificuldade, se ele pode visitar outras praias igualmente belas no Caribe ou na Ásia, onde a maioria das pessoas preparou-se para falar inglês?

E o problema não é apenas nos serviços privados, como hoteis e restaurantes; muitos turistas reclamam da falta de sinalização nas ruas em inglês (ou mesmo em espanhol), da falta de folhetos em outras línguas (até mesmo o site oficial da Secretaria de Turismo de Natal é escrito apenas em Português), da falta de centros de informação multi-língues.

As autoridades informam sempre que estão tomando as medidas cabíveis, mas pouco se percebe de concreto (algo equivalente, por exemplo, a essa iniciativa dos pequenos hoteis do Rio de Janeiro).

Com a Copa do Mundo se aproximando, Natal deveria se preocupar seriamente com essa questão.

Atualização: achei algumas boas notícias aqui e aqui; vamos torcer para que projetos como esse avancem.

Hoteis de Natal tiveram maior aumento de diária em 2010

março 23, 2011

Segundo conclusões do estudo Hotel Price Índex (HPI) – sigla em inglês para Índice de Preços de Hotéis, Natal foi a cidade brasileira que mais observou aumento nas diárias de hoteis em 2010; o HPI é elaborado periodicamente pelo site Hotels.com, que  intermedia reservas de hoteis em todo o mundo.

Em 2010, a diária média dos hoteis de Natal subiu 17%; a diária média de um quarto em Natal subiu de R$187, em 2009, para R$220, em 2010, o que foi o maior aumento do Brasil. Recife teve o segundo maior aumenot, com variação média de 15% ; Rio de Janeiro (os hoteis do Rio de Janeiro estão entre os mais caros do mundo), a quarta com 12% e São Paulo, a 10ª com 10%. No Brasil inteiro, a diária média ficou em R$ 252, com aumento de 1% em relação ao ano anterior.

Segundo a Associação da Indústria de Hotéis no Rio Grande do Norte (ABIH-RN), muito desse aumento deveu-se ao câmbio. A variação, segundo ele, nada mais é que o reflexo da queda do dólar e valorização do real frente a outras moedas, como o Euro. Devido a queda do dólar e valorização do real, capitais nordestinas, como Natal, por exemplo, estão mais caras que o Caribe.

Segundo o diretor executivo da ABIH/RN, não foram as diárias hoteleiras de Natal que subiram, mas as diárias hoteleiras que caíram em todo o mundo, com destaque para a Europa.  “Os preços deles caíram. Não foram os nossos que aumentaram. Nossos preços permaneceram os mesmos. Natal ficou cara, porque o preço lá fora caiu”, esclarece.

Pedro informa ainda que o estudo do Hoteis.com só leva em consideração reservas feitas através do site do grupo, cuja participação ainda é incipiente em Natal.  “É preciso esclarecer que esta não é uma pesquisa de mercado, mas apenas de um segmento, aquele coberto pelo site Hoteis.com”. Embora não saiba precisar a participação do grupo no mercado natalense, Pedro Nogueira afirma que ela ainda é pequena.

Veja mais informações sobre hoteis em Natal.

Estádio das Dunas custará mais de R$ 1 bilhão

março 18, 2011

Quando Natal foi escolhida para sediar a Copa, o projeto do Complexo Arena das Dunas estava orçado em R$ 300 milhões, que seriam bancados pela iniciativa privada. Seria criada uma Parceria que reformaria o estádio, reconstruiria o Centro Administrativo do Estado, e ainda haveria recursos para construção de prédios comerciais, hoteis, shoppings, etc.

A realidade saiu bem diferente: o custo total da Arena das Dunas poderá chegar a R$ 1.288.400,00! E isso só para o estádio.

Ou melhor explicando: esse é o montante que o Governo do Estado pagará à construtora OAS, a empresa que ganhou (porque foi a única participante) a licitação para construir o estádio. A OAS gastará R$ 400 milhões na construção, dos quais R$ 300 milhões serão financiados pelo BNDES.

Para ressarcir aqueles R$ 400 milhões à OAS, o Governo fará pagamentos mensais durante vinte anos; nos primeiros 11 anos, serão R$ 9 milhões por mês, que serão reduzidos nos anos seguintes, e que somados chegam à soma de mais de R$ 1 bilhão.

Natal está com o cronograma muito atrasado; em meados do ano passado, surgiram rumores de que a cidade poderia ser excluída da Copa. A primeira licitação realizada foi deserta, ou seja, não atraiu nenhum interessado.

Ao que parece, para não correr o risco de se ver sem nenhum interessado, o Governo fez uma série de concessões à construtora. Até mesmo os Deputados se espantaram com o resultado; a proposta ainda tem que ser aprovada pela Assembléia.

Isso tornaria o estádio de Natal o mais caro da Copa, pois até mesmo o Maracanã teve orçamento menor, de pouco mais de R$ 1 bilhão; e o Maracanã será, após a Copa, uma fonte certa de recursos, ao contrário da Arena das Dunas. E por coincidência, ainda ontem, o Sport Recife anunciou que, de forma mais barata e lucrativa, pretende reformar todo o estádio da Ilha do Retiro.

A Copa pode custar muito caro para o povo do RN.

Desfile das Kengas

março 7, 2011

OK, sabe-se que o Carnaval de Natal não é dos mais animados, não existem blocos com milhões de foliões como em Recife, Salvador e Rio de  Janeiro.

Mas há um evento que atrai a atenção das pessoas que querem tranquilidade no Carnaval e vem passar o período em Natal: o Desfile das Kengas.

Forma-se, de certa forma, um constraste entre o provincianismo de Natal e o vanguardismo das liberdades individuais. No Centro Histórico, próximo à Prefeitura e à Assembléia Legislativa, ocorre um desfile público de travestis, drag queens e assemelhados (as chamadas Kengas), culminando com a eleição da Kenga do Ano.

Tudo isso à luz do dia, sob a assistência de famílias, em clima ordeiro e festivo. Poucas cidades do Brasil contam com evento desse tipo.

Segundo o Diário de Natal, em 2011 quase 20 mil pessoas prestigiaram o evento:

Pelo 28º ano seguido o Centro Histórico de Natal se rendeu a folia e irreverência do “Desfile das Kengas” que atraiu segundo a organização do evento cerca de 20 mil pessoas na rua Ulisses Caldas.

A programação teve início por volta das 16h com show da cantora Kristal, seguida de apresentação com as kengas Jarita Nigth and Day e Shakira que levaram muita descontração ao público diverso que compareceu entre famílias, jovens e idosos.

No início da noite ocorreu o momento mais esperado o desfile para a escolha da “Kenga do Ano”. Foram mais de 30 participantes que desfilaram e a comissão julgadora escolheu a kenga “Aspasma” que desfilou com o figurino de lavadeira, em homenagem as mulheres trabalhadoras. A festa foi encerrada com uma orquestra de frevo que animou os foliões.

Veja fotos das Kengas.

Carnaval com tranquilidade: Natal

fevereiro 22, 2011

Nessa época de carnaval, as atenções da mídia se voltam para os grandes carnavais do Brasil: Rio de Janeiro, Recife e Salvador.

Entretanto, existem muitas pessoas que não gostam de carnaval. Quem disse que todo mundo tem que gostar de barulho, gente suada encostando em você, pessoas bêbadas procurando briga, trânsito engarrafado para ir a qualquer lugar perto de um bloco, etc?

Para quem quer tranquilidade durante o carnaval, Natal é um bom destino. Claro, seria exagero afirmar que não existe carnaval na cidade; mas o certo é que: o carnaval de Natal é pouco movimentado, comparado a vizinhos como Recife e Fortaleza (mesmo Joao Pessoa orgulha-se de ter um grande bloco pré carnavalesco, o Muriçoca, com 300 mil pessoas) .

E curioso é que o Governo de Natal tem tentado, nesses últimos anos, transformar a cidade em pólo carnavalesco (veja notas sobre os carnavais de 2008, 2009 e 2010). Felizmente, os resultados não têm sido muito frutíferos, e Natal permanece uma ilha de tranquilidade durante o Carnaval.

Para compensar essa apatia do carnaval, Natal tem a folia fora de época mais famosa e movimentada do Brasil, o Carnatal.

Por isso, se você quer aproveitar o Carnaval para descansar em vez de pular, reserve um hotel em Natal e aproveite a paz da Cidade do Sol.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.